Notícias

Advogados de deputados acusados de corrupção irão à Justiça para manter mandatos na Alerj

Após a Assembleia Legislativa do Rio (Alerj) decidir pela soltura dos deputados presos por corrupção , os beneficiados pela medida acreditam que não serão impedidos de reassumir os seus cargos. Na expectativa de uma decisão favorável no Tribunal de Justiça, os parlamentares estão seguros de que irão reaver suas cadeiras, mesmo com a resolução da Alerj de tirá-los da cadeia com a condição de que não voltem à Casa.

LEIA : Alerj decide soltardeputados estaduais acusados de corrupção

O GLOBO apurou que as defesas dos parlamentares acusados de corrupção não aceitarão a decisão da Casa e apostarão em um processo que está em curso no TJ-RJ e na premissa constitucional de que uma resolução da Alerj não pode se sobrepor a uma regra da Constituição. As defesas dos parlamentares vão argumentar que uma resolução da Casa não pode se sobrepor à Carta.

Por 39 votos a 25, a Alerj aprovou nesta terça-feira a soltura dos deputados estaduais André Corrêa (DEM), Luiz Martins (PDT),  Marcos Vinicius Neskau (PTB), Chiquinho da Mangueira (PSC) – em prisão domiciliar – e Marcos Abrahão (Avante), presos na Operação Furna da Onça, em novembro do ano passado.

PLACAR : Veja como votou cada parlamentar

Parlamentares, presos há quase um ano acusados de corrupção, vem de uma ação civil pública que reivindica a posse dos deputados com base na Constituição Federal, que garante os mandatos. No recurso contra o afastamento, os advogados dirão que uma resolução não pode conflitar com a Constituição e as leis. “Resolução deve se manter dentro dos seus limites regulatórios. Mandato decorre primeiro da Constituição”, diz um deles.

— Eles foram reeleitos. A posse está sendo discutida judicialmente numa ação civil pública que tramita no Tribunal de Justiça. Devem ser afastados, caso revogada a prisão, porque houve liminar não permitindo que eles assumissem o cargo nessa condição. Mas poderão reassumir futuramente se reverterem essa decisão judicial — afirma Marcos Crissiuma, advogado de Corrêa

FURNA DA ONÇA:     Lava-Jato do Rio mira ‘mensalão da Alerj’ e manda prender 10 deputados

Um integrante da Justiça Federal disse ao GLOBO que o que justifica a Alerj interferir é o fato de serem deputados com mandato. A soltura tem como base jurídica isso. Dessa maneira, se são parlamentares, não podem ser impedidos de assumir o mandato, pela hierarquia nas normas.

— A  Constituição se sobrepõe a uma resolução — afirma a fonte, que vê demagogia da Alerj que está ciente de que isso não se sustentará na Justiça:

— Lá na frente, quando algum desembargador do TJ-RJ determinar a posse, a Casa dirá que não teve culpa.

Nesta segunda-feira, após quase quatros horas de reunião, a Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Casa aprovou por cinco votos a dois um parecer favorável aos parlamentares que são suspeitos de corrupção. A medida já causa polêmica, pois poderá abrir as portas para que os políticos, uma vez fora da cadeia, consigam retomar seus mandatos.

Com o projeto de resolução aprovado no plenário em sessão extraordinária desta terça-feira, os deputados serão mantidos livres sem tomar posse, por ora. Porém, numa situação sem base de manutenção jurídica.

Um magistrado que acompanha o caso de perto diz que os deputados só foram submetidos à sessão de hoje porque tomaram posse, por isso não são cidadãos comuns.

— Se assim fosse, não teriam direito a ser soltos. O que justifica a soltura é a vontade popular que os elegeu.

Um investigador da Lava-Jato ouvido pelo GLOBO, porém, vê como inconstitucional o acordo entre os parlamentares para soltá-los desde que não assumam o mandato.

— É óbvio que esse acordo não será cumprido depois que obtiverem a liberdade. Se abrirem mão, perdem o vínculo que seria a causa da manutenção da soltura. Vale lembrar que eles tomaram posse na cadeia.

Print Friendly, PDF & Email

Deixe uma reposta