Brasil

Em vídeo, Bolsonaro chama Doria de ‘bosta’ e governo Witzel de ‘estrume’

vídeo da já famosa reunião de 22 de abril, no Palácio do Planalto reserva ataques diretos de Jair Bolsonaro a dois dos seus principais inimigos políticos.

O governador de São Paulo, João Doria, é chamado de “bosta” pelo presidente. Já as “pessoas do governo do Rio”, comando por Wilson Witzel, são chamadas por Bolsonaro de “estrume”.

Os ataques do presidente aos adversários se dão no contexto de paranoia e de perseguição política que rondam o Planalto há meses. O presidente diz na gravação que iria fazer mudanças no governo porque não poderia “apanhar sozinho” de seus adversários.

Como o Radar mostrou mais cedo, após o termino da exibição do vídeo da reunião do dia 22 de abril no Palácio Planalto, a defesa de Sergio Moro, que acompanhou a sessão, disse que o material “confirma integralmente” a versão do ex-ministro.

Dois interlocutores envolvidos na exibição do vídeo nesta terça confirmaram ao Radar que o presidente cita a família e amigos como motivo para as trocas na Polícia Federal. O presidente justifica no vídeo que precisava de informações de inteligência da PF para evitar que investigações em curso na PF prejudicassem “a minha família e meus amigos” e reclama — usando palavrões — da falta de informações.

Segundo Moro, na reunião o presidente Jair Bolsonaro teria cobrado a substituição do diretor-geral da PF e do superintendente no Rio. “O material confirma integralmente as declarações do ex-ministro Sérgio Moro na entrevista coletiva de 24 de abril e no depoimento prestado à PF em 2 de maio”, afirmaram os advogados do ex-ministro.

Os advogados mantiveram o pedido para que a íntegra do vídeo seja divulgada e reforçaram que durante o encontro não foram tratados temas sensíveis à segurança nacional.

Print Friendly, PDF & Email

Deixe uma reposta