Notícias

Ex-deputado Alfredo Sirkis morre em acidente de carro, em Nova Iguaçu (RJ)

O jornalista e ex-deputado federal Alfredo Sirkis morreu nesta sexta-feira, aos 69 anos, em acidente de carro, próximo ao Arco Metropolitano, em Nova Iguaçu (RJ). Sirkis estava a caminho do sítio da família, em Morro Azul, perto de Vassouras, para encontrar a mãe . Junto com Fernando Gabeira, Lizst Vieira e outros ambientalistas, Sirkis foi um dos fundadores do Partido Verde no Brasil e um dos pioneiros na militância ambiental no país.

O acidente ocorreu no início da tarde, próximo ao quilômetro 74. Segundo a Polícia Rodoviária Federal, Sirkis estava sozinho no veículo, um Volkswagem Polo, e seguia em direção à Via Dutra. O carro saiu da pista, colidiu com um poste e capotou. A Polícia Civil fez uma perícia no local para determinar as causas do acidente, que será investigado pela 58ª DP (Posse). Informações preliminares da perícia apontam que Sirkis perdeu a direção do carro.

Ex-deputado Alfredo Sirkis morre em acidente de carro, em Nova Iguaçu (RJ)

Ex-deputado Alfredo Sirkis morre em acidente de carro, em Nova Iguaçu (RJ) Foto: Divulgação

Filho único, Sirkis viajava para visitar a mãe, Lila, de 96 anos, em isolamento social por causa da pandemia. Segundo amigos, ele costumava fazer o trajeto com frequência. Além disso, Sirkis também iria rever o filho Guilherme, que terminou o mestrado recentemente nos Estados Unidos e está com a avó. O ex-deputado também deixa uma filha, que mora nos EUA.

Muito emocionado ao telefone, o deputado estadual Carlos Minc (PSB-RJ) confirmou a morte do colega de partido:

— Não quero acreditar nisso. Há três dias estávamos conversando sobre o novo livro dele que ia chegar por esses dias.

O jornalista lançou este mês o livro “Descarbonário”, quase quatro décadas depois do lançamento de “Os carbonários”, livro sobre sua militância estudantil e na luta armada durante a ditadura militar, que lhe rendeu um prêmio Jabuti em 1981.

Em nota, o ex-prefeito do Rio Cesar Maia lamentou a morte do ambientalista, que foi secretário de Meio Ambiente no primeiro mandato dele na prefeitura, e de urbanismo, na gestão seguinte.

“Uma perda enorme. Um quadro de formação múltipla: ambientalista, político, escritor, gestor, nesse momento estava se relançando com novo livro de superação do Carbonário”, disse Cesar Maia.

No Twitter, o ex-deputado Chico Alencar lembrou as lutas em comum:

“Muito chocado com a morte, em acidente de carro, de Alfredo Sirkis. Fomos colegas de vereança, de Câmara Federal e lutas comuns. Sirkis, devoto da causa ambiental, pensava grande. Deixa um novo livro. Que haja consolo para sua família e que Deus o acolha no Reino Cósmico da Paz”, pediu Alencar.

Alfredo Hélio Sirkis nasceu no Rio de Janeiro em 8 de dezembro de 1950, filho dos imigrantes judeus-poloneses Herman Syrkis e Liliana Syrkis. No Colégio de Aplicação da Universidade Federal do Rio de Janeiro (CAp/UFRJ), entrou no movimento estudantil, na coordenação do grêmio.

Integrou grupos de guerrilha urbana (Vanguarda Popular Revolucionária) contra a ditadura militar e participou de sequestros de diplomatas em troca da liberdade de presos políticos. Em 1971, se exilou no Chile, Argentina e Portugal, regressando ao Brasil em 1979, com a Lei da Anistia.

Atualmente, o jornalista era diretor-executivo do Think Tank Centro Brasil no Clima. Ele foi eleito vereador do Rio em 1986 e depois reeleito. Foi candidato à Presidência da República pelo Partido Verde em 1998 e atuou como deputado federal entre 2011 e 2015. Em 2010 e 2014, foi um dos principais articuladores políticos e coordenadores das campanhas de Marina Silva para a Presidência. No último pleito, em 2018, ele se afastou da candidata, mas não chegou a romper politicamente com ela.

Em maio de 2019, foi exonerado pelo presidente Jair Bolsonaro do cargo de coordenador do Fórum Brasileiro de Mudanças Climáticas. A organização foi criada em 2000 como um instrumento institucional da Política Nacional de Mudança do Clima, que tem à frente o próprio presidente. O cargo não era remunerado.

Print Friendly, PDF & Email

Deixe uma reposta