Notícias

Prefeito eleito, Eduardo Paes apela para que idosos não saiam às ruas

O prefeito eleito do Rio Eduardo Paes, que só assume a gestão do município em 1º de janeiro, fez neste domingo um apelo diante da alta de casos e óbitos por Covid-19 na cidade. Ele pediu que pessoas do grupo de risco para a doença, sobretudo idosos, evitem sair às ruas. Paes citou a morte recente de amigos, como o bispo Daniel Malafaia e o sambista Ubirany Félix do Nascimento, um dos fundadores do grupo Fundo de Quintal, ambos por complicações decorrentes do coronavírus.

Casos:Rio registra quase 700 novas infecções de Covid-19; fila por um leito de UTI tem 270 pacientes

As pessoas precisam entender que, todo dia, estamos perdendo muitas vidas, há gente sendo internada. Isso depende muito da atitude de cada um de nós, independentemente de restrições criadas pelo governo — disse Paes, após se reunir com seu futuro secretariado. — Meu apelo desde já como prefeito eleito é que as pessoas mais velhas não saiam de casa, se preservem, não mantenham contato, isso é fundamental. Pessoas com comorbidade, com doenças, tomem cuidado.

Paes disse ainda que, na próxima reunião com os futuros secretários, ainda antes da posse, já vai apresentar o plano de combate à Covid-19, ao lado do médico Daniel Soranz, que assumirá a secretaria de Saúde do município na nova gestão.

O futuro prefeito afirmou que vai cumprir o seu papel diante do quadro de agravamento da pandemia e de falta de leitos, trabalhando com o Ministério da Saúde e de forma integrada ao Plano Nacional de Imunização. Mas chamou atenção para a necessidade de todos colaborarem, inclusive os mais jovens:

Todos nós e aqueles que são mais jovens, que eventualmente já tenham sido contaminados, devem usar máscara, zelar pelo distanciamento social. Não adianta achar que um governo vai entrar no dia 1º de janeiro e fazer milagre, ou impor uma série de restrições que, se a população não colaborar, não valem de nada.

Após avanço:MP e Defensoria entram com ação para que prefeitura do Rio volte a adotar medidas restritivas contra Covid-19

Neste domingo, agentes da Delegacia Especial de Apoio ao Turista reforçaram o policiamento em pontos turísticos como o Bondinho do Pão de Açúcar, na Urca, e o Corcovado, no Cosme Velho. Além de coibir descumprimento de regras sanitárias, a operação visava a impedir que flanelinhas cobrassem de R$ 80 a R$ 90, em vez de R$ 2, por vagas de estacionamento rotativo. De manhã, 10 suspeitos foram levados à delegacia.

Com a forte chuva de domingo, as praias ficaram mais vazias , assim como as as áreas de lazer da Zona Sul, que voltaram a ser fechadas. Só no Aterro era possível ver pessoas arriscando correr entre os carros. Houve poucas operações de reboque na orla, onde o estacionamento está proibido. O maior movimento foi, no Posto 6, onde militares organizavam uma longa fila de pessoas que visitariam o Forte de Copacabana.

Estragos da pandemia:  Como estão os números do coronavírus no Brasil e no mundo

Neste domingo, foram registrados mais 624 casos de Covid-19 e quatro óbitos no Estado do Rio. A média móvel de casos subiu 15% e a de mortes, 5%. Na Região Metropolitana I — capital e a Baixada —, 93% dos leitos de UTIs estão ocupados, e 205 pessoas esperavam na fila pela terapia intensiva.

Print Friendly, PDF & Email

Deixe uma reposta