Notícias

Prefeitura pode assumir Linha Amarela e quer pedágio de R$ 2

Após reunião realizada nesta quinta-feira, 31/10, na Câmara dos Vereadores do Rio de Janeiro, foi aprovada a tramitação do Projeto de Lei Complementar (PLC) de Encampação da Linha Amarela, que tem como intenção maior a Prefeitura do Rio de Janeiro passar a gerir a Via, retirando a concessão da Lamsa. A proposta de Marcelo Crivella é cobrar pedágio de R$ 2 – em apenas um sentido. Nesta sexta-feira (01/11), às 11h, está prevista a primeira votação para aprovar o Projeto, se as comissões parlamentares derem parecer favorável em reunião que acontece às 9h.

Caso o rito aconteça mesmo nesta sexta-feira, nos próximos 10 dias o Projeto de Lei Complementar será votado definitivamente na Câmara dos Vereadores do Rio.

Durante a reunião, representantes de Crivella disseram que foi proposto encurtar a concessão, reduzir o preço ou indenizar a Prefeitura e que Lamsa não aceitou nada disso. Propuseram, também, que fosse cobrado R$ 2,06 em cada sentido ou R$ 4,12 em um sentido só. A concessionária, novamente, não aceitou. Foi dito, ainda, que haveria lucro de 10% para a empresa gestora.

Reunião aconteceu na tarde desta quinta, na Câmara dos Vereadores

A Prefeitura do Rio de Janeiro enviou, nesta terça-feira, 29/10, um Projeto de lei à Câmara Municipal para ser votado em regime de urgência, com o intuito de encampar a Linha Amarela.

O texto cita o artigo 37 da Lei de Concessões, que prevê a retomada do serviço durante o prazo da concessão por motivo de interesse público. Com isso, a Prefeitura poderia, aos olhos da lei, assumir a responsabilidade pela cobrança do pedágio e pela administração da via, hoje a cargo da concessionária Lamsa.

Na mesma terça-feira, o DIÁRIO DO RIO publicou que a Lamsa anunciou que voltará a cobrar o pedágio da Linha Amarela no primeiro minuto da próxima sexta-feira, dia 1/11. A tarifa básica é de R$ 7,50 por sentido.

No último domingo, 27/10, a Prefeitura notificou o rompimento unilateral do contrato de concessão da Linha Amarela à Lamsa, que administra a via. A primeira determinação de Marcelo Crivella foi a derrubada de todas as cancelas que impediam a passagem dos veículos sem que houvesse o pagamento de pedágio.

Print Friendly, PDF & Email

Deixe uma reposta