Notícias

Rio inaugura monumento em homenagem às vítimas do Holocausto

Inauguração do Monumento em memória às vítimas do Holocausto no Morro do Pasmado, em Botafogo, no Rio — Foto: Nelson Perez/Prefeitura do Rio

O Rio ganhou na manhã deste domingo (13) o monumento em memória às vítimas do Holocausto no Morro do Pasmado, em Botafogo, na Zona Sul do Rio. A inauguração foi realizada pelo prefeito Marcelo Crivella.

Prefeito Marcelo Crivella ao lado da primeira-dama, Sylvia Jane, na inauguração do Monumento em memória às vítimas do Holocausto no Morro do Pasmado, em Botafogo — Foto: Nelson Perez/Prefeitura do Rio

Prefeito Marcelo Crivella ao lado da primeira-dama, Sylvia Jane, na inauguração do Monumento em memória às vítimas do Holocausto no Morro do Pasmado, em Botafogo — Foto: Nelson Perez/Prefeitura do Rio

A obra no local foi uma parceria entre o poder municipal, a Associação Cultural Memorial do Holocausto e a iniciativa privada.

 

O evento contou com a presença do governador em exercício do Estado do Rio de Janeiro, Cláudio Castro; do presidente do Supremo Tribunal Federal, Luiz Fux; do embaixador de Israel no Brasil, Yossi Shelley entre outras autoridades.

Durante os discursos, destacou-se a importância de que a morte de milhões de pessoas seja lembrada como um símbolo da intolerância, para que não volte a se repetir. O rabino Sérgio Margulies fez uma prece que abençoou o memorial.

“Nesse memorial, cada visitante vai testemunhar e sentir na alma o sofrimento dos inocentes e aprender uma lição de que na vida é preciso vigiar o passado, porque ele sempre volta, se a gente se descuidar”, afirmou Crivella.

Cláudio Castro ressaltou a necessidade de mais diálogo na sociedade.

“A inauguração desse monumento passa uma importante mensagem de respeito, amor e tolerância que é fundamental para a sociedade atual. Esse discurso de polarização, que é visto no mundo inteiro, principalmente na internet, gera ódio. E a história mostra onde isso pode chegar. Temos que recuperar a capacidade do diálogo”, disse Castro.

Em seu discurso, o presidente do STF, ministro Luiz Fux, destacou:

“Esse Memorial é para que não padeçamos do vício da indiferença e também para que manifestemos a nossa indignação com o holocausto.”

Alberto Klein, presidente da Associação Cultural Memorial do Holocausto, ressaltou que o local é um ponto de reflexão para todos.

“O memorial não é só para o povo judeu, e sim para toda a sociedade”, afirmou.

O projeto do memorial foi escolhido em 1998, por meio de um concurso público nacional promovido pela Prefeitura do Rio e o Instituto dos Arquitetos do Brasil.

O idealizador foi o então vereador Gerson Bergher, que já morreu. O monumento tem quase 20 metros de altura.

Museu será inaugurado

O local ainda receberá um museu, que ainda não foi inaugurado, que oferecerá programação educacional aos alunos das redes pública e privada.

O espaço também receberá exposições nacionais e internacionais com temas que dizem respeito à defesa dos direitos humanos, à tolerância e ao humanismo.

A ideia é que o local funcione em cooperação com outras instituições do gênero, como os memoriais de Jerusalém, Washington e a Casa Anne Frank, em Amsterdã.

Print Friendly, PDF & Email

Deixe uma reposta