Notícias

Rio terá epidemia de coronavírus em quatro semanas, prevê Secretaria de Saúde

Rio terá epidemia de coronavírus em quatro semanas, prevê Secretaria de Saúde

Ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, estimou que o país viverá cerca de 20 semanas ‘duras’ por causa do surto

Secretário Estadual de Saúde, Edmar Santos: ‘80% dos casos serão uma gripe comum’Ricardo Cassiano/Agência O Dia

Rio – O secretário estadual de Saúde, Edmar Santos, prevê que a crise mais intensa do coronavírus no Rio aconteça entre 2 e 4 semanas. Em seguida, com a chegada do inverno, a epidemia deve se estender até completar cinco meses, quando o contágio deve começar a diminuir. Na quarta-feira, o ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, estimou que o país viverá cerca de 20 semanas “duras” por causa do surto.

“As secretarias municipais e estadual vão acelerar o processo de preparação para a crise, que deve começar provavelmente daqui a 2 ou 4 semanas de uma maneira mais intensa”, disse o secretário estadual saúde do Rio em entrevista ao programa Bom Dia Rio, da TV Globo.

“A gente está trabalhando com horizonte de 4 mil a 10 mil casos aqui no Rio de Janeiro. E pra isso a gente tem se preparado, vamos abrir de 300 a 600 leitos novos. A rede privada está organizada com a gente. Vamos fazer um enfrentamento comprometido”.

A pasta estadual confirmou na manhã desta quinta-feira os dois primeiros casos de transmissão local do coronavírus no Rio de Janeiro. Até então, os contaminados no estado haviam se infectado durante viagens à Europa.

“Passamos para o nível 1 do Plano de Contingência e aceleramos o processo de preparação para o pico da epidemia, que prevê a disponibilidade de 206 leitos exclusivos para tratamento de casos graves de pessoas infectadas em hospitais espalhados pelas diversas regiões, incluindo unidades municipais e federais, além da rede estadual”, explicou o secretário.

O secretário alerta que não há motivo para pânico. O vírus não está circulando livremente, mas de uma maneira localizada. A primeira transmissão no Rio aconteceu em um congresso médico. O homem de 72 anos contraiu o vírus no evento e contaminou a esposa. Os dois estão em isolamento domiciliar e apresentam estado de saúde estável.

A recomendação do secretário de Saúde é de que as pessoas mais sensíveis ao vírus mudem os hábitos e evitem locais com aglomerações de pessoas, como metrôs, trens, cinemas e estádios de futebol. As pessoas mais sensíveis são: idosos acima de 60 anos, pessoas com doenças cardíacas ou pulmonares. “Entre 80% e 85% dos casos serão uma gripe comum”, disse o secretário.

Print Friendly, PDF & Email

Deixe uma reposta