Skip to main content
Notícias

Saiba como será o novo prédio da Alerj

O próximo ano será de mudanças na política do Rio de Janeiro. Além dos novos vereadores e talvez de um novo prefeito, a Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro, a Alerj, vai estar de casa nova. Os deputados estaduais vão trabalhar no Prédio Lucio Costa, já chamado de Alerjão.

Segundo informações do Jornal Correio da Manhã, a antiga sede do Banerj e do centro administrativo do Estado, apelidado à época de Banerjão, está na reta final das obras e deve ser inaugurado no início de 2021. O prédio terá 36 pisos e 2 subsolos.

Ainda de acordo com o Correio da Manhã, o novo plenário lembra a estrutura do Senado e tem um número equivalente de assentos. Existe um movimento para que ele seja batizado com o nome do deputado Wagner Montes. No prédio haverá espaços para homenagear a memória dos deputados Gil Viana e João Peixoto (um dos decanos da casa), falecidos em decorrência da Covid-19.

Os gabinetes, que serão 30% maiores, terão internet de alta velocidade, assim como o restante do prédio, que terá wi-fi em todas as áreas comuns.

A TV Alerj, que será exibida em todo prédio, inclusive nos gabinetes, terá os estúdios onde existia o cofre do Banerj. O plenário é um verdadeiro estúdio para transmitir as sessões.

O último andar vai ter vista panorâmica da cidade e será um espaço para eventos e pequenas recepções do Legislativo.

Um curioso fato destacado pelo Correio da Manhã: o Alerjão será o primeiro prédio público a funcionar com todas as licenças, especialmente a dos Bombeiros. Poucos espaços de governo têm suas licenças em dia. Alguns até mesmo nunca as tiveram.

Após a mudança, o Palácio Tiradentes será usado apenas para atos solenes do Legislativo, como posse de governador. O palácio será restaurado e transformado em centro cultural, resgatando a história do Legislativo brasileiro. Antes da transferência da capital para Brasília, nele funcionava a Câmara dos Deputados.

A futura Praça das Bandeiras terá um memorial que guardará amostras de terra de cada um dos municípios fluminenses.

 

 

Print Friendly, PDF & Email

Leave a Reply