Brasil

Trump confirma jantar com Bolsonaro neste sábado em seu resort da Flórida

 O presidente dos EUA, Donald Trump, confirmou que vai jantar com seu colega brasileiro Jair Bolsonaro neste sábado, na sua residência em Mar-a-Lago, no estado da Flórida. A informação foi revelada durante entrevista coletiva na Casa Branca, que tinha como ponto central os planos do governo americano para o coronavírus.

— Vamos jantar em Mar-a-Lago. Ele queria jantar na Flórida — disse Trump na entrevista.

Segundo informou a Casa Branca em um comunicado posterior, Trump “usará a reunião como uma oportunidade para agradecer o Brasil pela estreita aliança com os Estados Unidos“. Segundo a nota, os dois líderes discutirão “oportunidades para construir um mundo mais próspero, seguro e democrático”, focando em temas como a crise na Venezuela, o Oriente Médio, políticas comerciais e investimentos em infraestrutura.

Admiração: Bolsonaro faz transmissão ao vivo enquanto assiste ao pronunciamento de Donald Trump

A agenda de Trump prevê que ele deve seguir para a Flórida ainda nesta sexta-feira, depois de uma visita a áreas atingidas por um tornado no estado do Tennessee. Havia a expectativa de que ele fosse até Atlanta, onde fica a sede do CDC, o Centro de Controle de Doenças dos EUA, mas esse compromisso foi cancelado — nesta sexta-feira, ele assinou um projeto para liberar US$ 8 bilhões para combater o coronavírus no país. Além das partidas de golfe habituais e do jantar com Bolsonaro em Mar-a-Lago, Trump deve participar de eventos de sua campanha à reeleição.

Chamado informalmente de “Casa Branca de inverno“, o resort de Mar-a-Lago fica em uma área reservada de Palm Beach, na Flórida, e foi concluído em 1927. Algumas décadas depois, em 1985, foi comprado por Donald Trump por US$ 10 milhões e transformado em um resort de luxo para sócios e seus convidados — o preço básico para se tornar membro é de US$ 200 mil, dando o direito de frequentar as dependências do clube e, eventualmente, esbarrar no presidente, um assíduo frequentador da propriedade.

Desde que assumiu o cargo, em 2017, foram 29 visitas, custando cerca de US$ 133 milhões aos cofres públicos, de acordo com levantamento do site Huffington Post, em fevereiro. Os custos incluem as diárias dos agentes do Serviço Secreto e até a conta deixada pelos assessores do presidente no bar do resort.

Além de suas tacadas no campo de golfe, Trump gosta de receber convidados estrangeiros na propriedade. O primeiro foi o premier japonês Shinzo Abe, ainda em 2017. No mesmo ano, o presidente chinês, Xi Jinping, também ficou hospedado em Mar-a-Lago.

Bolsonaro, que é um admirador declarado do republicano, já se reuniu com Trump em sua visita de Estado aos EUA, em março de 2019, e na cúpula do G20 no Japão, em junho do ano passado. Os dois tiveram um breve encontro durante a Assembleia Geral da ONU, em setembro de 2019, em Nova York, quando o brasileiro disse ao americano: “I love you”.

Acordos e carros elétricos

A confirmação do jantar com Trump pode ser considerada o ponto alto da viagem do presidente Jair Bolsonaro aos EUA, a terceira em pouco mais de um ano no cargo. O encontro começou a ser costurado no ano passado, depois de conversa entre o chanceler, Ernesto Araújo, e o secretário de Estado, Mike Pompeo, na Colômbia. O convite para a visita aos EUA partiu do senador republicano pela Flórida, Rick Scott, e é esperada a assinatura de acordos bilaterais em áreas como tecnologia, investimentos e defesa. Na segunda-feira, 9 de março, ocorrerá também um fórum empresarial em Miami.

Também será firmado um acordo bilateral na área de defesa, uma espécie de autorização para planos conjuntos, como a atuação do Brasil como aliado extra-Otan dos EUA. A assinatura deve ocorrer no domingo, durante visita de Bolsonaro à sede do Comando Sul dos EUA, onde se reúne com o chefe do comando, o almirante da Marinha dos EUA, Craig Faller.

Na quinta-feira, em audiência no Senado, o chanceler brasileiro, Ernesto Araújo, demonstrou ter dúvidas sobre a continuidade da boa relação com a Casa Branca se Trump for derrotado na eleição presidencial de novembro.

— Claro que a gente acompanha com interesse esta realidade eleitoral americana, este processo eleitoral. Mas estamos trabalhando com o governo do presidente Trump, com quem temos aberto tantas novas oportunidades. Vamos ver qual o resultado da eleição. Evidentemente, se o presidente Trump for reeleito, continuaremos certamente nesta linha que tem sido muito promissora. Em outro caso, veremos — disse Araújo.

E mais: EUA deportam mais 130 imigrantes brasileiros, e há pelo menos mais 139 na fila para devolução

Um outro desejo do governo brasileiro é estabelecer um contato mais próximo com representantes da montadora de carros elétricos Tesla. Bolsonaro disse, há duas semanas, que gostaria de trazer a empresa ao Brasil, com a eventual construção de uma unidade de produção, mas ainda não há nada de oficial. Hoje, a Tesla, que é uma das lideres no setor, possui unidades nos EUA, Alemanha e China.

Seu presidente, Elon Musk, também não falou sobre o assunto. Ele foi chamado de “gênio” por Donald Trump, mas, politicamente, seria mais alinhado aos democratas. No ano passado, chegou a endossar o então pré-candidato do partido à Presidência, Andrew Yang, que já deixou a disputa.

Na quarta-feira, em encontro com o presidente da Câmara dos Deputados da Argentina, Sergio Massa, Bolsonaro disse que o governo argentino “pode contar com ele” para interceder pela Argentina junto a Trump.

— Ele se mostrou disposto a ajudar a Argentina e afirmou que falará sobre o assunto em seu encontro com o presidente americano — disse Massa ao GLOBO.

(Paola De Orte, Filipe Barini, Eliane Oliveira).

Print Friendly, PDF & Email

Deixe uma reposta